quarta-feira, 28 de junho de 2017

Organizar a greve geral de massas por tempo indeterminado

A Tendência Marxista-Leninista publica abaixo o artigo da Liga Bolchevique Internacionalista (LBI), em razão de concordar com sua análise da conjuntura brasileira atual, notadamente a necessidade da luta contra a burocracia sindical pelega e reformista, a defesa da palavra de ordem de greve geral por tempo indeterminado e a bandeira do Congresso nacional da classe trabalhadora na perspectiva do poder proletário.

30 DE JUNHO

PARA DERRUBAR TEMER, SUAS REFORMAS NEOLIBERAIS E O REGIME BURGUÊS É PRECISO CONVOCAR UMA GREVE GERAL DE MASSAS, ATIVA E INSSUREICIONAL POR TEMPO INDETERMINADO!

SUPERAR OS “DIAS DE LUTA” IMPOSTOS PELA BUROCRACIA SINDICAL QUE NÃO PASSAM DE INSTRUMENTOS DE PRESSÃO SOBRE O CONGRESSO DE BANDIDOS!

ORGANIZAR UM CONGRESSO NACIONAL DOS TRABALHADORES COMO EMBRIÃO DE ORGANISMOS DE PODER PROLETÁRIO E SOCIALISTA!

Neste dia 30 de Junho ocorre um “Dia de paralisações e mobilizações contra Reforma Trabalhista”. Anteriormente convocado com o caráter de “Greve Geral” de 24hs, as direções das principais centrais sindicais (CUT, CTB, FS, UGT) trataram de transformar a data em um mero instrumento de pressão sobre o congresso de bandidos com o objetivo de alterar alguns pontos da reforma trabalhista no parlamento.

Uma prova do que afirmamos é que não há nenhum clima de verdadeira paralisação nacional nas bases das categorias, existe um nível de mobilização bem inferior ao que vimos no último 28 de Abril, apesar ter se aprofundado o ódio popular contra Temer. Esse retrocesso ocorre em um momento onde chega ao ápice a crise do governo golpista e das instituições políticas do regime burguês.

Porque esse “descompasso” entre a puteza das massas e a política de suas direções? A razão desse recuo é responsabilidade direta das direções políticas da CUT, CTB, PT e do PCdoB que optaram por não radicalizar a luta de classes, apostando no caminho de desgastar o governo Temer para capitalizar sua crise no terreno eleitoral, via a disputa presidencial em 2018 ou mesmo antes se necessário pelas visas da “Diretas Já”. Por este motivo, enquanto sabotaram a construção de uma Greve Geral de massas e ativa com piquetes, ocupações e corte de estradas, priorizaram domesticados os atos pelas “Diretas Já”, uma espécie de campanha eleitoral antecipada para Lula ou mesmo para o PSOL.

Nesse caminho de traição tiveram o apoio velado ou a não resistência de fato da Conlutas (PSTU) e da Intersindical (PSOL). A chamada “Oposição de Esquerda” optou por fingir que o eixo adotado pela burocracia sindical (“Dia 30, Vamos parar o Brasil contra as Reformas”) fortaleceria a luta por uma futura Greve Geral quando de fato representou o seu desmonte.

Como as Oposições classistas impulsionadas pela TRS-LBI já vínhamos denunciando, este 30/06 não passa de um “dia de protestos” com um caráter atomizado e não centralizado com ocupações e piquetes. Passa bem longe das intenções da CUT, CTB e FS organizar uma verdadeira Greve Geral, ativa e de massas para pôr abaixo o governo golpista e suas reformas neoliberais, seu objetivo é pressionar a CCJ no Senado e o plenário desse covil de bandidos que é o Senado Federal.

Por esta ótica política toda a ação da classe trabalhadora deveria estar concentrada no “Fora Temer”, transformando os “dias de luta” em atos pelas “Diretas Já” no sentido da eleição de um “novo governo legitimado pelas urnas”. Para a cúpula da burocracia sindical e a direção da PT, PCdoB e PSOL não há a perspectiva da Revolução Social e a tomada do poder estatal por parte dos trabalhadores pelas vias não institucionais da democracia dos ricos.

Em nome das Oposições Classistas impulsionadas pelas TRS-LBI convocamos a vanguarda classista do proletariado a atropelar estes pelegos e reformistas construindo pela base uma verdadeira Greve Geral de massas, por tempo indeterminado até a derrubada do “gerente” golpista e seus reais patrões: a classe dominante e seu Estado capitalista de exploração e opressão sobre os trabalhadores e o povo oprimido!

Este é o caminho da vitória dos trabalhadores, sem apostar em nenhuma saída eleitoral e nos marcos da institucionalidade burguesa. Neste momento de aguda crise política e econômica, com o avanço da recessão sobre as costas dos trabalhadores, onde os governos burgueses de todos os matizes políticos e a patronal impõem arrocho salarial e até mesmo reajuste “zero” para os servidores públicos, escalonando e atrasando os salários, é preciso radicalizar nossa luta direta com ocupações de fábricas, terras, piquetes, paralisações nos bancos e escolas, construindo um embrião de poder dos explorados.

No curso desse combate de classe, faz-se necessário organizar um Congresso Nacional dos Trabalhadores, agrupando o movimento operário, popular e estudantil, ampla e democraticamente convocado, que deve ser forjado como uma alternativa de poder dos trabalhadores. As Oposições classistas impulsionadas pela TRS-LBI lançam um chamado franco à toda vanguarda classista, a grupos políticos, sindicais e organizações marxistas para juntos convocarmos um Congresso que aprove uma plataforma de centralização das lutas como alternativa a farsa de uma saída eleitoral nos marcos da institucionalidade burguesa.

O seu caráter não é meramente sindical e sim o embrião de um organismo político de frente única capaz de agrupar todos os setores explorados do país para assentar as bases de um poder de novo tipo, proletário e socialista!

MOVIMENTO DE OPOSIÇÃO BANCÁRIA (MOB) - CE
OPOSIÇÃO CLASSISTA DOS QUÍMICOS-SP
OPOSIÇÃO DE LUTA DOS PROFESSORES - CE
OPOSIÇÃO DOS RODOVIÁRIOS - GUARULHOS/SP
OPOSIÇÃO UNIDADE NA LUTA - URBANITÁRIOS – CE
OPOSIÇÃO COMBATIVA DOS PETROLEIROS - RN
TENDÊNCIA REVOLUCIONÁRIA SINDICAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário