sexta-feira, 29 de maio de 2015

A Nova Guerra Fria está pegando fogo

Ontem dia, 27, na Suíça, ocorreram as prisões midiáticas (para o delírio da imprensa venal, da pequena-burguesia e da classe média brasileira) de dirigentes do futebol mundial, vinculados à FIFA, acusados de corrupção, prisões essas ordenadas pelos Estados Unidos, que sobre o pretexto de uma investigação, em razão dos interesses americanos (essas apurações haviam sido submetidas à apreciação de juiz alemão que não deu a mínima para as mesmas, com certeza por ter entendido que se tratava de querela entre usurários e bandidos).

Os EUA continuam se arvorando a polícia do planeta. É a “pax americana”, a exemplo da “pax romana”.  Como Lênin ensinou, a época dos monopólios, do capital financeiro (industrial + bancário), é a época imperialista, da reação em toda linha, de guerra e revoluções.

Há pouco dias os Estados Unidos violaram o território Sírio e assassinaram um líder do Estado Islâmico, sua cria, como o Bin Laden. Sempre a mesma história: os EUA armam, usam e depois descartam seus mercenários.

Perseguem Edward Snowdem, ex-agente de uma empresa ligada à CIA, que revelou as arbitrariedades e os crimes os de espionagem do Império e Julian Assange, do WikiLeaks, que também fez revelações sobre a podridão yankee.

Com relação à Federação Internacional de Futebol, a Fifa, com certeza os Estados Unidos moveram-se por causa de seus interesses financeiros contrariados, ou seja, em virtude de empresas como Nike, Red Bull, Coca-cola etc., pois perderam a disputa pelas sedes de 2018 para a Rússia e 2022 para o Catar. Agora o que o EUA estão fazendo é correr atrás do prejuízo de suas empresas, querem recuperar o dinheiro que perderam ou deixaram de ganhar, com os expedientes de extorsão, como a conhecida nazi-fascista delação premiada (lembram-se na Alemanha nazista os filhos eram incentivados a delatarem os pais), processo esse que já se iniciou com a transação do brasileiro J. Hawilla, da Traffic, empresa de marketing esportivo, que “concordou” em devolver U$ 158 milhões dólares, mais ou menos 473 milhões de reais. É ainda prejudicar ou inviabilizar a Copa da Rússia.
Se fosse por problema de corrupção mesmo, deveriam antes ter apurado a compra das sedes das olimpíadas de Atlanta em 1996  e de Salt Lake City em  2002. Pura hipocrisia!

As investidas americanas se dão por "bem" (diplomaticamente) e por mal (militarmente). Anteriormente, empreenderam uma aproximação com Cuba, preocupados com a construção pelo Brasil do porto na Ilha, que poderá impulsionar o comércio da Refinaria brasileira de Pasadena.
Antes, ainda, os EUA apoiaram golpes em Honduras, Paraguai; derrubaram Kadafi, na Líbia; apoiaram um golpe nazi-fascista na Ucrânia; atacam as Repúblicas de Donbass e Donest; apoiaram golpe militar para derrubar governo eleito democraticamente no Egito; armaram e usaram o Estado Islâmico contra o Iraque e a Síria, desestabilizando a região (só não o conseguindo totalmente devido à atuação ainda que acanhada da Rússia); tudo isso como forma de apoiar o Estado sionista e terrorista de Israel contra o povo palestino.

Recentemente, atacaram a Rússia, com “sanções”, tentando derrubar o rublo, que chegou a cair de um dia para o outro 20%.

Os EUA tem dado origem, também recentemente, a uma série de escaramuças com a China em razão do mar do Sul da China.

A Nova Guerra Fria está esquentando,ou seja, começa a pegar fogo a luta entre o imperialismo dos EUA e da União Europeia e o Bloco Eurásico, Rússia e China, formado por ex-estados operários, que ainda não são país imperialistas, por não terem como atividade preponderante a exportação de capitais.

“A China passará a concentrar sua presença militar além de suas fronteira marítimas, alcançando águas internacionais, indica um documento do Conselho de Estado.

O texto de Pequim, que destaca quatro áreas estratégicas às quais será dedicada mais atenção – oceano, espaço, força nuclear e espaço cibernético – afirma ainda que Pequim acelerará o desenvolvimento de forças para combater  “ameaças graves” à sua infraestrutura cibernética.

(...)
O relatório reforça uma estratégia de fortalecimento da Marinha já em prática nos últimos anos. Recentemente, o país lançou um porta-aviões e investiu submarinos e em outros navios de guerra.
(...)

Autoridades americanas afirmam que , na região das ilhas Spratly, a China criou  aterros de cerca de 800 hectares (o equivalente a mais de 800 campos de futebol) desde 2014. Segundo Pequim, a área poderia ter fins militares, como pistas de pouso.

O documento do Conselho de Estado, porém, diz que a China “não atacará a menos que seja atacada” e alerta para “ações provocativas de certos vizinhos” e “partes externas envolvidas em questões do mar do Sul da China”.” (Folha de S. Paulo, 27/5).

O capitalismo vive uma crise, que ameaça até deflagração da III Guerra Mundial, com o choque entre o imperialismo do EUA e da União Europeia contra o Bloco eurásico, Rússia e China. É uma Nova Guerra Fria.

Neste momento o Bloco Eurásico joga um papel progressivo, devendo ser apoiado pelos marxistas revolucionários quando entrarem em conflito com os imperialismos americanos e europeus. Esta colocada mais do que nunca a questão do socialismo ou barbárie.

IGNÁCIO REIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário