sexta-feira, 3 de junho de 2016

Golpe é golpe: não adianta ter ilusão legalista

O ministro José Eduardo Cardozo divulgou vídeo o onde denuncia que no processo do golpe  (“impeachment”) o presidente da Comissão do Senado, Antônio Anastasia, não está permitindo que se junte provas de áudio (escuta telefônica) dos golpistas, ou seja, não está permitindo o contraditório e ampla defesa, conforme a Constituição.

Inclusive, o ministro Cardozo demonstra uma certa surpresa com o que está acontecendo no Senado.  

Ocorre que os dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) e seus parlamentares, quando foi aprovado, na Câmara dos Deputados, o encaminhamento do processo de  “impeachment” para o Senado Federal, semearam a ilusão de que no Senado as coisas seriam diferentes, que a presidente Dilma teria condições de fazer sua defesa com calma, que haveria discussão, etc. etc. 

Agora os dirigentes do PT estão vendo como é que é a coisa: golpe é golpe.

Tomara que cai a ficha, que pegue no tranco! É necessário parar de jogar areia nos olhos do povo!

O juiz federal e suposto agente da CIA, Sérgio Moro, condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, verdadeira prisão perpétua se considerarmos a idade de Dirceu (70 anos), a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal, com a nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”. O STF rasgou a Constituição faz tempo, quando acabou com o princípio da presunção de inocência.

A votação do “impeachment” será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a mesma Corte que, para maquiar o golpe, fez uma cirurgia plástica afastando apenas formalmente Eduardo Cunha da presidência da Câmara (continua recebendo e atuando para a consolidação do golpe; apenas não comparece nas dependências da Câmara, o resto ele continua fazendo exatamente igual), ou seja, Cunha foi afastado somente depois que ele fez todo o trabalho sujo.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas. 

A maioria dessas instituições burguesas são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja, ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agindo politicamente.

A “Operação Lava Jato” foi montada apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma, visando o golpe.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler.

Assim, embora seja importante continuar denunciando o que está ocorrendo no Senado Federal, utilizando-se dessa tribuna, essa luta deve estar subordinada à ação direta das massas, à mobilização da classe operária, dos trabalhadores, dos camponeses, dos estudantes e da juventude para derrubar revolucionariamente nas ruas a ditadura Temer/Cunha.

Para tanto, é sumamente importante que todos saiam às ruas no próximo dia 10 de junho na manifestação convocada pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- O povo na rua derruba a ditadura!

- Fora Temer!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

Nenhum comentário:

Postar um comentário