terça-feira, 11 de julho de 2017

Partido da ditadura militar poderá assumir a presidência da República

O golpista Rodrigo Maia, do Democratas (DEM), presidente da Câmara dos Deputados, está articulando a derrubada do golpista Michel Temer, do PMDB (Partido do Movimento Democrática Brasileiro). Para tanto, conta com o apoio do “mercado”, isto é, da burguesia, principalmente a pró-imperialista, representada pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), sobretudo do capital financeiro, dos bancos.

Isto significa a volta ao poder do Partido da Frente Liberal (hoje DEM), partido que sucedeu a ARENA (Aliança Renovadora Nacional), o partido formado pelos militares golpistas de 1964, que defendiam os interesses do imperialismo norte-americano.

A consumação do golpe dentro do golpe poderá proporcionar mais ataques aos trabalhadores e à maioria oprimida nacional, pois a “plataforma” do golpista Rodrigo Maia vai mais além do que a de Michel Temer (“Uma ponte para o futuro”), pois inclui ainda, além das “Reformas Trabalhista e Previdenciária", a tal “Reforma Tributária” e da “Segurança Pública”, o que demonstra que irá implementar a política ditada diretamente pelo imperialismo, principalmente, o norte-americano (Departamento de Estado, FBI e CIA), na mesma linha da “Operação Lava Jato”, concebida para perseguir o Partido dos Trabalhadores (PT) e os empresários nacionais (a burguesia nacional), que colaboraram com os governos de Lula e Dilma, tudo isso para implementar a terceirização, acabar com a CLT e a aposentadoria, escravizando e recolonizando o Brasil.

Assim, o “plano” do golpista Rodrigo Maia é implementar a mesma política econômica que o militar ditador Augusto Pinochet implementou no Chile a partir de 11 de setembro de 1973, aplicando os “ensinamentos” da Escola de Economia de Chicago, desonerando a burguesia e o imperialismo de pagamento de impostos, com a aplicação de uma política “liberal”, que significou o mais brutal ataque ao proletariado chileno.

Logicamente, a política econômica de Pinochet de ataque à classe trabalhadora não deu certo. Aí os economistas, a burguesia chilena e o imperialismo norte-americano cinicamente disseram que a política econômica não deu certo por causa da ditadura. Na verdade, a política econômica só foi aplicada em razão do golpe, da ditadura, sendo que, do ponto de vista da burguesia chilena e do imperialismo norte-americano, ela foi um sucesso porque recolonizou e escravizou o Chile.

Todavia, com relação à tributação no Brasil, é importante destacar alguns pontos: aqui não se tributa dividendos e não há imposto sobre grandes fortunas (está na Constituição Federal, mas não foi regulamentado). Nos Estados Unidos, este imposto é de 20% a 40%; na Inglaterra de Margareth Tchatcher era de 38%. O imposto sobre herança no Brasil é de 3%, enquanto no Chile, paraíso neo-liberal, é de 12%. Economistas, na época em que Joaquim Levy era ministro, calcularam que se o Brasil tivesse imposto sobre grandes fortunas, taxando apenas 5%, conseguiria 90 bilhões de reais, quantia bem superior aos 18 bilhões que Levy queria retirar do sangue e suor dos trabalhadores.

Combinado com isso, o golpista Rodrigo Maia prepara uma “Reforma na Segurança Pública”,  com certeza para espalhar o estado de sítio que o Rio de Janeiro vive hoje aos demais estados da federação brasileira, o que redundará no aumento do genocídio da população pobre e negra das periferias das cidades e da população carcerária massacrada nos presídios com a política de encarceramento em massa do Poder judiciário brasileiro (o Brasil possui a 4ª população carcerária do mundo, em torno de 700.000 presos).  

Para agravar a situação política nacional, o principal partido da ditadura militar de 1964 está prestes a assumir a presidência da República, o que tende a aumentar os ataques à classe trabalhadora e a seus direitos, o que deverá levar ao colapso a política eleitoreira de “diretas já”, dos partidos e das organizações da esquerda pequeno-burguesa, democratizantes e centristas, como PT, PSOL, PSTU, MAIS, etc., porque, evidentemente, num quadro como este, como sempre dissemos, em eleições controladas sempre ganha o partido golpista, como na ditadura militar de 1964 a ARENA sempre vencia as eleições antidemocráticas e fraudadas.

Assim sendo, cumpre ao movimento operário e popular convocar um Congresso de base da classe trabalhadora, com delegados eleitos nos Estados, em São Paulo ou no Rio de Janeiro, para discutir um plano de lutas contra o desemprego que atinge 14 milhões de brasileiros; pela redução da jornada de trabalho, sem redução de salário, para que todos trabalhem; com a escala móvel de salários, com os aumentos sendo de acordo com a inflação e ganhos reais; formação de milícias operárias e populares, a partir dos sindicatos; formação de um partido operário marxista e revolucionário; na perspectiva de uma greve geral por tempo indeterminado para a derrubada do regime golpista; rumo a um governo operário e camponês e a uma Internacional Operária e Revolucionária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário