sábado, 22 de julho de 2017

Rio de Janeiro: decretado o estado de sítio permanente

O ministro renegado e golpista Raul Jungmann anunciou ontem, dia 21 de julho, que as Forças Armadas, Exército, Marinha e Aeronáutica, “vão ajudar na segurança do RJ até 2018” (Portal da Globo, 21/7).

Na verdade, nova ofensiva contra a população pobre e negra do Rio de Janeiro, rebelada em razão da falência completa do Estado fluminense, e agora com o aprofundamento da crise econômica, como demonstram os aumentos dos combustíveis.

Os golpistas faliram o Estado do Rio de Janeiro, sendo que o governador Luiz Fernando Pezão, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) sequer está pagando os vencimentos (salários) dos funcionários públicos cariocas, que se encontram atrasados.

Segundo o Portal Globo, “Os militares permanecerão nas ruas da cidade até dezembro de 2018. O ministro não informou o efetivo das tropas que participarão das ações.” Mas em seguida quase tudo fica esclarecido:

“No momento seguinte se passa para essa operação e se iniciam outras e mais outras. No caso das Forças Armadas nós não precisamos de muitos recursos de fora. Só para dar um exemplo, a Vila Militar, que é a maior unidade militar da América do Sul, tem 12 mil homens. Ou seja, só em caso de necessidade de uma macro-operação em apoio às ações policiais caso seja necessário.”

O Rio de Janeiro, desde as Olimpíadas de 2016 já vinha sendo atacado pelo Exército, que  chegou a matar populares, sendo um deles um adolescente, perpetrando inominável covardia.

Isso tudo é o resultado do golpe que destituiu a presidente Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores (PT), implicando no fim da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a condenação de Lula e a perseguição sistemática aos sindicatos, às centrais sindicais e ao movimento operário e popular, que segue com a possibilidade do golpe dentro do golpe, com o golpista Rodrigo Maia, do Democratas (DEM, ex-Partido da Frente Liberal – PFL -  e ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL – ARENA, o partido da ditadura militar de 1964), presidente da Câmara dos Deputados, articulando a derrubada do golpista Michel Temer, abrem essa perspectiva da escalada golpista rumo à ditadura e ao fascismo.

Rodrigo Maia conta com o apoio do “mercado”, isto é, da burguesia, principalmente a pró-imperialista, representada pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), sobretudo do capital financeiro, dos bancos, controlando o Congresso Nacional, o Judiciário e o Ministério Público (estas duas últimas instituições são elitistas, conservadoras e reacionárias, não se submetendo ao sufrágio universal, ao voto, ao povo, e ultimamente têm realizado atuação política de forma aberta, ao arrepio de suas leis orgânicas e da  Constituição da República que na prática foi revogada pelos golpistas, com apoio do Supremo Tribunal Federal.

A consumação do golpe dentro do golpe poderá proporcionar mais ataques como estes, pois o programa de Rodrigo Maia vai mais além do que o de Michel Temer (“Uma ponte para o futuro”), pois inclui ainda, além das “Reformas Trabalhista e Previdenciária”, a tal “Reforma Tributária”, para desonerar os industriais e os banqueiros, e da “Segurança Pública”, o que demonstra que irá implementar a política ditada diretamente pelo imperialismo, principalmente, o norte-americano (Departamento de Estado, FBI e CIA), na mesma linha da “Operação Lava Jato”, concebida para perseguir o Partido dos Trabalhadores (PT) e os empresários nacionais (a burguesia nacional), que colaboraram com os governos de Lula e Dilma, tudo isso para implementar a terceirização, acabar com a CLT e a aposentadoria e as leis previdenciárias, aumentar o genocídio da população pobre e negra das periferias das cidades e massacrar ainda mais a população carcerária brasileira (700.000 presos,  4ª população carcerária do  mundo), aumentar os massacres cotidianos dos camponeses e exterminar os povos indígenas, enfim, escravizando e recolonizando o Brasil.

Romper com a política de conciliação de classes do PT e do PSOL 

O conjunto da classe operária, para deter essa escalada golpista, precisa entrar em movimento, rompendo a paralisia imposta pelas direções pequeno-burguesas reformistas e pelegas do PT e do PSOL, porque essa política eleitoreira tem levado o movimento popular a um beco sem saída, aplainando o terreno para o avanço da burguesia e do imperialismo, o que levou à derrubada presidenta Dilma Rousseff .

É preciso desmascarar Marcelo Freixo, defensor das ultra-reacionárias UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) e o PSOL, defensor da também ultra-reacionária farsa  da “Operação Lava Jato”.

Convocar um Congresso de base da classe trabalhadora 

Assim sendo, cumpre ao movimento operário e popular buscar a ação direta, convocar um Congresso de base da classe trabalhadora, com delegados eleitos nos Estados, a ser realizado em São Paulo, para discutir um plano de lutas contra o desemprego que atinge 14 milhões de brasileiros, buscando a instituição de um Fundo Desemprego, com cada trabalhador empregado doando 0,5% (meio por cento) do salário para esse Fundo; pela redução da jornada de trabalho, sem redução de salário, para que todos trabalhem; com a escala móvel de salários, com os aumentos sendo de acordo com a inflação e ganhos reais; formação de milícias operárias e populares, a partir dos sindicatos; formação de um partido operário marxista e revolucionário; na perspectiva de uma greve geral por tempo indeterminado para a derrubada do regime golpista; rumo a um governo operário e camponês e a uma Internacional Operária e Revolucionária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário