sábado, 6 de fevereiro de 2016

Até a ONU pede a libertação de Julian Assange

Até a ONU (Organização das Nações Unidas) , por intermédio do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária da ONU (Lênin disse de sua antecessora, a Sociedade das Nações, que era um covil de bandidos) pediu ontem a liberdade imediata do australiano Julian Assange, fundador do WikiLeaks, assim como condenou o Reino Unido e a Suécia a pagarem indenização.

Assange encontra-se refugiado na Embaixada o Equador, em Londres, por fazer divulgação do banditismo praticado pelo imperialismo norte-americano (que, na verdade, é sabido por todo mundo e registrado pelos historiadores), sendo ameaçado de prisão, em razão de uma falsa acusação de abuso e estupro, pelo governo sueco, mancomunado e sob as ordens do imperialismo norte-americano do falcão Obama, o qual recentemente, por intermédio da CIA, espionou até a presidenta Dilma Rousseff.

“Em relatório divulgado nesta sexta (5), o grupo da ONU – formado por cinco especialistas em tribunais internacionais e direitos humanos e cujas decisões não têm poder de lei – considerou o cerco como uma prisão arbitrária feita pelos dois países e solicitou que sejam respeitadas a integridade física e a liberdade de movimento do fundador do Wikileaks.” (Folha de S. Paulo, 06/02).

Por outro lado, “Do balcão da embaixada, o australiano comentou a decisão: ‘Que momento doce. É uma vitória inegável. Pude suportar todo esse processo. Mas que direito têm os governos britânico, americano e sueco de negar a meus filhos o direito de verem o pai?’” (Idem).

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no Partido dos Trabalhadores participa da luta pela libertação imediata de Julian Assange e faz frente única com o governo do Equador, o qual deu guarida à Assange, enfrentando os imperialismos norte-americano, britânico e sueco.

- Liberdade imediata para Julian Assange!
- Liberdade de manifestação e expressão!
- Liberdade de informação!
- Liberdade de imprensa!
- Abaixo o imperialismo!


Ignácio Reis

Nenhum comentário:

Postar um comentário