quinta-feira, 5 de maio de 2016

Depois do trabalho sujo, Supremo golpista e farsante afasta Cunha

O ministro Teori Zavaski do Supremo Tribunal Federal concedeu liminar afastando Eduardo Cunha da Câmara dos Deputados, deferindo requerimento formulado pela Rede de Marina Silva.

Fosse essa medida adotada desde que foram descobertas as 9 contas bancárias de Cunha na Suiça com 52 milhões de dólares fruto de desvio de dinheiro da Petrobrás, confirmando que ele havia mentido na em depoimento na Câmara, a medida do Supremo deveria ser aplaudida. Todavia, agora, após Eduardo Cunha ter feito todo o trabalho sujo do golpe (eufemisticamente chamado de “impeachment”) impulsionado pelo burguesia entreguista e pelo imperialismo norte-americano, a liminar concedida soa como “queima de arquivo”, visando “legitimar” o golpe.

Por outro lado, o juiz nazi-fascista e agente da CIA, Sérgio Moro, diretor da Nova Guantánamo de Curitiba, onde os presos são torturados para obtenção de "confissões" e "delações premiadas", a pretexto de "prisão cautelar" ("provisória" e "preventiva"), poderia ter prendido a esposa e a mulher de Cunha, mas nada fez, porque o seu negócio é prender e perseguir petistas e as pessoas que deram apoio ao governo de Lula e Dilma.

Embora tenha sido afastado, Cunha mantém os direitos parlamentares e o foro privilegiado. Nada de cadeia. Pelo contrário, deve receber ainda mais grana pelos "serviços prestados", como se fosse uma aposentadoria, por parte dos banqueiros nacionais e estrangeiros.

O Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público Federal, o Tribunal Eleitoral (que promove eleições controladas, antidemocráticas, baseadas na grana dos bancos e das empreiteiras), do Tribunal de Contas da União, da Polícia Federal (a polícia política do golpe), essas instituições burguesas, são ocupadas por usurpadores, ou seja, por indivíduos que não foram eleitos pelo povo, não se submeteram ao sufrágio universal, isto é, ao povo, que estão a serviço da burguesia e do imperialismo de maneira permanente, como “instituição”. O Supremo Tribunal Federal, condenou companheiros sem prova, com base na nazi-fascista “Teoria” do Domínio do Fato”. O STF é o mesmo que entregou Olga Benário aos nazistas. Essas “instituições” agem politicamente, utilizando-se de  ações midiáticas, em total desrespeito aos mínimos direitos civis e democráticos, à presunção de inocência, desrespeitando as liberdades democráticas (ou como gostam os juristas burgueses, as “liberdades públicas”),  criminalizando os movimentos sociais, prendendo os lutadores dos movimentos sociais, com a aplicação da Lei de Segurança Nacional da época da ditadura militar, que permite até a pena de morte, em conluio com governos de traços nazi-fascistas nos estados.

É fundamental assinalar que toda essa orquestra é comandada pela batuta da embaixadora Liliana Ayalde, dos Estados Unidos, com apoio da CIA e o Departamento de Estado norte-americano. 

Então, o movimento operário e popular não deve se iludir com essa liminar concedida pelo Supremo que não passa de uma tentativa de “queima de arquivo”, de “legitimar” o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano contra presidente Dilma Rousseff e de preparar a instauração da ditadura Temer/Cunha.

Assim, preparar e organizar a Greve Geral para o dia 10/5, elegendo comandos de greve nas fábricas, nas empresas, nos bancos, no campo, nas empresas agrícolas, nas repartições públicas, nas escolas e nas universidades.

- Greve Geral 10/5

- Abaixo o golpe!

- Fascistas não passarão!

- Fora Cunha! Fora Temer!

Erwin Wolf

Nenhum comentário:

Postar um comentário