quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Servidores de São Bernardo: votar na Chapa 1 da CUT

Hoje, quarta-feira, dia 17 e amanhã, quinta-feira, dia 18/8, ocorrerão as eleições para o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Bernardo do Campo, concorrendo a Chapa 1, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), e a Chapa 2, da CSP-Conlutas e da Intersindical.

A eleição é tutelada pelo Ministério Público do Trabalho e pela Justiça do Trabalho, em razão da CSP-Conlutas, ligada ao Partido dos Trabalhadores Socialista Unificado (PSTU) ter se socorrido dos mesmos, isto é, da Justiça burguesa. Estes órgãos permanentes de poder da burguesia são ocupados por membros que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto, ao controle do povo, ou seja, são ocupados por usurpadores.

A Tendência Marxista-Leninista expressa o seu apoio à Chapa 1, da CUT, contra a Chapa 2, da CSP-Conlutas, ligada ao PSTU, em razão deste partido ter apoiado o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, com a sua palavra de ordem “Fora Todos”, que na verdade era tão-somente o “Fora Dilma”.

Assim, o PSTU e a CSP-Conlutas estiveram, objetiva e concretamente, do lado dos golpistas, sem se importarem para a aplicação do “Plano uma ponte para o futuro” de Michel Temer, que implicará, se os golpistas não forem derrotados, na escravização e recolonização do Brasil, com o fim da CLT, aposentadoria aos 75 anos, 80 horas semanais, fim dos programas sociais, como Minha Casa Minha Vida,  Bolsa Família, FIES, PRONATEC, etc.,  fim do Sistema Único de Saúde, privatização da Petrobrás, da Caixa Econômica Federal, assalto ao FGTS pelos banqueiros, fim da estabilidade do servidor público, enfim, um retrocesso sem precedentes para a classe trabalhadora brasileira.

Além disso, o PSTU e a CSP-Conlutas tentam passar uma imagem de combativos, mas no movimento sindical são conhecidos os acordos traidores da diretoria do Sindicato do Metalúrgicos de São José dos Campos com a Embraer e a General Motors, onde tal diretoria permitiu, sem luta, demissões nessas empresas e acordos rebaixados do ponto de vistas das reivindicações dos metalúrgicos.

Ainda, são conhecidas as traições nas greves dos metroviários pela diretoria ligada ao PSTU, quando estas são encerradas precocemente, com acordos nocivos aos trabalhadores com o governo tucano do Estado de São Paulo. Sem falar que o Sindicato dos Metroviários permitiu que os metroviários fizessem horas extras para ajudar na mobilização coxinha e da extrema-direita, nas domingueiras da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

Assim, servidores públicos municipais de São Bernardo do Campo votar na Chapa 1 contra os golpistas e contra o retrocesso.

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

Nenhum comentário:

Postar um comentário