segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Sobre Paris

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no PT publica abaixo, para conhecimento, debate e discussão dos militantes do movimento operário e popular brasileiro, inclusive para discussão interna da própria TML, a importante declaração sobre os atentados ocorridos em Paris, do Groupe Marxiste Internationaliste, seção francesa do Coletivo Revolução Permanente, que luta por uma nova Internacional Operária Comunista, juntamente com o Gruppe Klassenkampf, da Aústria, Revolución Permanente, do Peru, e o Movimento ao Socialismo, da Rússia (em processo de integração ao CoReP). Outrossim, ressalvamos que a TML não faz parte do CoReP, é apenas simpatizante do mesmo. A tradução portuguesa é de inteira responsabilidade nossa, ou seja, da TML, sendo que para maior segurança sugerimos a consulta ao original em francês, no Blog do Groupe Marxiste Internacionaliste.

“Abaixo o estado de emergência! Abaixo a unidade nacional!

Na noite de 13 de novembro, um comando islamofascista matou mais de 125 pessoas e feriu mais de 350 outros nas ruas de Paris e Saint-Denis. O islamismo político não é uma crença religiosa é uma corrente política ultra-reacionária, alimentada inicialmente pelo Serviço Secreto dos EUA, Israel, Paquistão, Turquia, Arábia, etc., de acordo com as necessidades do imperialismo e esses poderes regionais que usam esses infratores como homens fanáticos homens de palha para avançar escondido em suas guerras de de rapina. Jihadismo é financiado em todos os lugares por monarquias petrolíferas do Golfo, que é apoiado pela Síria e governo turco reacionário de Erdogan, enquanto reprime curdos, ele reprime a mídia, ele serve como uma base de retaguarda para Daech para todos os seus tráficos de petróleo, armas, objetos de arte, etc.

O islamismo político é uma forma de dominação encontrada pela burguesia iraniana para conter a revolução no Irã 1978/1979, executar, aprisionar e torturar ativistas sindicais, oprimir as mulheres, as minorias, os homossexuais, para liquidar todos liberdades democráticas, com a bênção do imperialismo. Este foi por avião especial fretado pelo governo francês que o muito reacionário Imam Khomeini deixou a sua residência Neauphle-le-Château para participar do Irã, onde a revolução começou, sem os islamitas e organizar os bandos fascistas que tomaram o poder . Wikileaks revelou que os EUA haviam secretamente apoiado jihadistas da Síria contra o regime de Assad por anos. No Iraque e na Síria, o EI-Daech destruiu qualquer democracia, qualquer movimento operário, aterrorizou minorias nacionais e religiosas, assim como seus rivais do exército jihadista de conquista na Síria (al-Sham Ahar, subsidiária Al-Nosra da Al Qaeda).

O islamismo político é, como os partidos fascistas e xenófobas, o produto da decomposição do capitalismo, do imperialismo, de manobras de diferentes imperialismos, ele se estabeleceu onde o imperialismo deixou apenas as ruínas, ele é vil e ele é utilizado.

Ainda assim, ele consegue encontrar um eco nos países dominados, mas também nas minorias árabes e muçulmanos dos países dominantes, tendo a falsa aparência de anti-imperialismo e anti-sionismo. Isso é possível porque as potências imperialistas como a França apoiam o Estado sionista que nasceu da colonização da Palestina, intervêm militarmente para proteger seus interesses na África, no Oriente Médio, apoiando regimes ditatoriais, fazem e desfazem governos de acordo com sua precisa.

Isto é possível porque os países imperialistas segregam dentro deles a discriminação contra as minorias étnicas, negros e latinos na América do Norte, árabes, negros, ciganos, turcos, etc. na Europa. Isso é possível porque o islamismo político goza da cumplicidade ou a complacência daqueles que têm os olhos nas massas que lutam contra ditadores no Irã e na Síria, que têm derrubado como na Tunísia e no Egito. O islamismo político (Irmandade Muçulmana ou AKP, salafistas ou  jihadistas ) como uma alternativa anti-imperialista, no afastamento de um impasse. Isso é possível porque o PS e o PCF defendem o capitalismo francês, o Estado e sua polícia e, portanto, confundem e dividem os trabalhadores em França.


Holland tem proclamado o estado de emergência, usando o artigo 16 da constituição bonapartista da Quinta República, que proíbe qualquer forma, qualquer reunião, dá poderes excessivos à polícia. Ele que vende armas para todo o Golfo das monarquias islâmicas chama à "unidade nacional", com o apoio de Sarkozy, que deu a Líbia os islamitas.

Jihadistas não se preocupam com o estado de emergência. O estado de emergência é dirigido apenas contra as liberdades públicas, contra a classe trabalhadora e da juventude. Ele servirá para reforçar a polícia, exército, serviços secretos que não têm protegido nem os estudantes judeus de Toulouse, nenhum dos cartunistas Charlie Hebdo, nem clientes Hyper-Kosher, nem os espectadores para o Stade de França ou o Bataclan. .

Unidade nacional, seja contra o Kaiser em 1914 ou contra os Islamofascists em 2015, sempre transforma o proletariado e os jovens em crédulos da classe dominante.

Os ataques de 11 de Setembro de 2001, os Estados Unidos tinham permitido a administração Bush para pôr em prática um conjunto de medidas de coacção, o "Patriot Act" contra os trabalhadores e para justificar a sua intervenção no Afeganistão e no Iraque. Aqueles 7 e 9 de janeiro foram usadas para justificar o bombardeio do Iraque e da Síria, as manobras do exército nas cidades, o aumento do orçamento dos serviços secretos e do exército, uma nova lei de espionagem generalizada na população. Aqueles de Novembro de 13 serão utilizados da mesma maneira.

Os trabalhadores e os jovens, independentemente da sua origem étnica, religião ou falta de religião, devem se unir para defender as liberdades democráticas. Eles devem se unir para combater as campanhas xenófobas e de islamofobia grupos fascistas e partidos como o LR ou FN,  que luta contra a caçada aos refugiados, às nacionalidades, organizados pelo governo PS-PRG. As fileiras de divisão dos trabalhadores de acordo com a nacionalidade, religião ou cor da pele sempre serviu a burguesia. Ele também está olhando para o que a causa islâmica-fascista com seus ataques.

Todas as organizações dos partidos da classe trabalhadora e os sindicatos devem romper com a unidade nacional, exigir o levantamento imediato do estado de emergência e acabar com as operações militares do imperialismo francês em África e no Médio Oriente.

Para erradicar Islamofascismo como o fascismo em todas as suas formas, deve ser rejeitado o nacionalismo, se reconectar com o internacionalismo proletário, para terminar com o capitalismo na França e no mundo. Precisamos dos trabalhadores, os trabalhadores, a juventude de todos os países se unam em uma Internacional dos Trabalhadores, que terá como objetivo derrubar a burguesia francesa, as outras burguesias imperialistas (ocidentais e russa) e todas as burguesias do Médio Oriente (islamitas e outras).”

Nenhum comentário:

Postar um comentário