sexta-feira, 8 de abril de 2016

Novo secretário estadual de SP segue os ataques à educação

O novo secretário estadual de educação, José Renato Nalini, segue os ataques à educação, sendo que ontem, 7/4, declarou que o Estado deve ser preocupar apenas com segurança e justiça, defendendo a iniciativa privada na educação.

O novo secretário dessa forma segue os ataques à educação de seu antecessor, o nazista, Herman Voorwald, que tentou fechar as escolas, aplicando a política de ajuste fiscal estadual, sendo derrotados pelos alunos e professores, com o apoio dos pais e de toda a população do Estado de São Paulo. Ou seja, o governador tucano do PSDB, Geraldo Alckmin, trocou 6 por meia dúzia, uma nazista por outro.

O novo secretário, José Renato Nalini, é egresso do poder judiciário, onde foi presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que  não é um órgão neutro, porque seus membros são conservadores e reacionários, que invariavelmente defende os interesses da burguesia nacional e do imperialismo, sobretudo o norte-americano. É o único poder em que seus membros não são eleitos, não se submetem ao sufrágio universal, não se submetem ao controle do povo, são ocupados por usurpadores, espalhados pelos estados da federação, muitos notórios neo-nazistas, colocados em evidência pela mídia sensacionalista, antidemocrática e golpista.

Além disso, recentemente aconteceu o escândalo no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, onde os desembargadores fraudaram o artigo 100 da Constituição Federal que trata dos precatórios, que determina uma ordem cronológica para os débitos dos entes públicos com seus funcionários. Os desembargadores da cúpula do judiciário paulista quebraram essa ordem e fizeram o pagamento de “horas extras” (brincadeira, né ?) dos mesmos, imediatamente, com o que foram pagos atrasados variando de 700 mil reais a 1 milhão e 400 mil.  A Comissão de desembargadores do próprio Tribunal que fez a apuração constatou que vigora a norma de que “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Por outro lado, a cúpula do poder judiciário brasileiro não é diferente, pois o Supremo Tribunal Federal é o mesmo historicamente que entregou Olga Benário aos nazistas e a Hitler e que recentemente condenou os nossos companheiros do Partido dos Trabalhadores sem provas, com base na nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato.” E, recentemente, rasgou a Constituição Federal, acabando com a presunção de inocência.

A política adotada no Estado de São Paulo, pelo governo do tucano Geraldo Alckmin do PSDB, é a do “Estado mínimo, visa apenas a: 1) manter a Polícia Militar, que pratica um verdadeiro genocídio da população jovem pobre e negra das periferias das cidades paulistas; 2) criminalizar a população, fazendo funcionar a única justiça com celeridade, a justiça criminal; 3) construir presídios, transformando o Estado de São Paulo, numa enorme “Ilha Grande” (antigo presídio do Rio de Janeiro, na região de Angra dos Reis, hoje desativado), já que o Estado têm a maior parte da população carcerária do Brasil, que está em torno de 700 mil presos.

Assim, a política estadual tem o objetivo de acabar com a educação e fechar as escolas públicas.

Anita Garibaldi

Nenhum comentário:

Postar um comentário